Fechamento do blog

13 01 2011

Anuncio oficialmente o fim do meu blog… no WordPress.

Acompanhem minhas postagens no http://jovemurso.blogspot.com/

Cansei das limitações do WordPress. Não posso personalizar nada nessa budega. e_e

No Blogger eu ainda não apliquei nenhuma personalização significativa, mas já é um passo, hehe

 

Abraços

 

Jovem Urso





Floresta dos Meus Sonhos

9 01 2011

E então eu me deparei com a visão daquela floresta, que sempre aparecia nos meus sonhos, porém, desta vez, ela não era turva e distorcida. Eu a via com meus próprios olhos.

Meu coração batia forte. Afinal, eu tinha esperado 18 anos da minha vida por aquele momento, que tanto sonhei, idealizei. E tinha sido melhor do que eu podia imaginar. Melhor, mais forte, mais intenso…

Foram os melhores minutos da minha vida até agora, e espero que minutos como esse se transformem em horas e dias e aconteçam novamente.

Eu não estava nem aí pros carros que passavam do lado de fora da cerca do parque, muito menos com os corredores que vez ou outra passavam por ali perto. Era o meu momento. Meu momento e do Pianista…

Só sei que agora passo o dia relembrando daqueles beijos…

Jovem Urso

P.S.: Eu ia postar isso na sexta à noite, mas acabei deixando pro sábado e adiei pra hoje, finalmente. Não consegui postar antes porque estava demasiadamente extasiado com meus sentimentos. Demorei pra conter essa sensação dentro de mim, visto que mosquei 90% do dia de ontem (ou seja, um Epic Fail Day, mas não estava nem aí)… hehehe.

P.S.2: Por causa do  mesmo motivo e de um pouco muita ansiedade pelo encontro eu não comentei muito nos blogs alheios, desde meu último post. Gomen nasai… xD





Oi, Lápis! Há quanto tempo?!

5 01 2011

Essa sera a frase que eu direi quando novamente voltar a praticar desenho. Estava me dando umas férias mentais, cheias de comida, jogos, animes e um pouco de “filmes adultos”…

Minha faculdade começa daqui a um mês e dois dias… Já tenho que começar a pôr o cérebro pra trabalhar e aprimorar meu desenho livre, enquanto posso, pois depois… vai saber quando vou poder (tentar) desenhar algo como isso:

Créditos a Blathering, autor da imagem
e membro do Deviant Art.

Pena que ainda tem chão até eu chegar no nível desse cara… xD

 

Jovem Urso





Tornados da Minha Vida

3 01 2011

Dei uma fugidinha do blog porque precisava dar um jeito em mais um dos tornados de pensamento que aparecem dentro da minha cabeça. Foram alguns dias em que aconteceram tantas coisas importantes que  exigiram algum tempo de reflexão pra entender o porquê daquilo ter acontecido, se bem que eu não entendi a razão de algumas delas.

Poucos dias antes do Ano Novo, resolvi mostrar o meu blog ao meu casal de melhores amigos héteros numa conversa do MSN. Considerava eles pra caramba e eram as pessoas mais especiais pra mim, pois sempre foram os primeiros a me escutar, me ajudavam a tomar decisões… e contei primeiro para eles que eu era gay. Ampararam-me quando precisei e sempre estiveram presentes… Contudo, algo inesperado aconteceu. Minha amiga ficou um tanto chocada porque coloquei partes da minha vida na internet… Como se meu blog fosse acessado por todas as pessoas do mundo, ¬¬”. Tanta gente que faz isso, porque eu não posso fazer também? E quando eu disse isso, ela me rebate com a seguinte frase: “Se colocar um bacalhau na cabeça fosse moda, você também colocaria?”. Olha, essa foi a frase mais ácida que alguém já poderia ter me dito, ainda mais por ela, porque considerava minha melhor amiga. E mesmo depois da rasgação de seda em desculpas por ambos os lados sobre coisas irrelevantes para serem escritas aqui, creio eu que esse ácido da frase acabou por dissolver o tênue laço que nos unia. Pior que isso, pra mim, foi meu amigo ter sumido da conversa (que era a três). Não disse um simples “já volto”, nem nada. Por várias vezes eu perguntei onde ele estava e a minha amiga respondia um parco “é… ele deu uma sumida…”. Eu sei que podem ter acontecido várias coisas que requeriram a atenção dele naquele momento, mas pra mim o silêncio dele foi igualmente ruim.

Porra, não criei esse blog pra ser popular e nem porque mundos de gente criaram também e acharam legal. A finalidade do blog é ter um diário online que pessoas possam ler e comentar, não? Eu estava sozinho, enquanto eles estavam preocupados com seus próprios problemas e mal tinham tempo pra fazer outras coisas. Eu como não sou amigo chato, criei o blog (como o próprio nome já diz) pra me confessar, pra liberar minhas angústias e compartilhar minhas alegrias e fazer amigos.

No dia 31, eu estava bem desanimado, pois as memórias ainda ressurgiam dentro da minha mente. Memórias sempre felizes, dos momentos que já tínhamos vivido juntos e tal… Tentei me confortar com algo que alguém me disse quando contei do ocorrido: “Você ainda não encontrou o seu lugar ideal, e, por isso, ainda não encontrou amizades realmente verdadeiras. Eles estão vivendo no mundinho deles. Você sempre pensou além do que seus amigos pensavam, não só eles, mas todos os outros com quem você tentou fazer amizade. Não se preocupe… Você não vai estar sozinho pra sempre não, pode crer.” Foi duro? Foi, mas eu escolho continuar vivendo do que ficar choramingando.

A virada do ano foi regada a champagne e alguns entoos de “Adeus Ano Velho, Feliz Ano Novo”, enquanto os fogos saltitavam pelo céu escuro. Confesso que o pessoal do meu bairro se superou nessa queima de fogos. Várias queimas em vários lugares, e duas delas foram bem perto da minha casa. A luz cintilante e o barulho ensurdecedor dos fogos levaram pra longe a minha tristeza e me fizeram ver que as pessoas estavam felizes naquele dia, soltando fogos e desejando prosperidade para o próximo ano… Tenho um pouco de vergonha de dizer, mas tem quatro ou cinco anos que eu passo a Virada do Ano de camiseta e cueca vermelhas pra ver se atraio um pouco de sorte no amor, apesar de não ser muito supersticioso… hehehehe

Será que não precisei dessa sorte da virada? Acho que não… Quero mais é ver meu Pianista de novo… *-*

Um Ano Novo cheio de realizações a todos!

 

Jovem Urso





Closets are for clothes!

26 12 2010

Imagino que já deduziram a finalidade do post, não é? Focarei mais na minha história, que é um tantinho longa…

Por onde começarei… Hum… A primeira desconfiança…

12 anos, criança inocente ainda, mas que já começava a fazer as traquinagens sozinho. Ainda descobrindo o que diabos era aquele negócio de “bater punheta” que os meninos da turma tanto comentavam… Primeiro só com a imaginação, depois de um tempo comecei a caçar revistas comuns como Caras e Veja, procurando por mulheres de biquini e tal, logo que ouvia os meninos comentarem de gostosa X e gostosa Y pra lá e pra cá… Até que um dia, numa padaria, eu comprei uma revista pornográfica. Sim, uma revista pornográfica foi vendida a um garoto de 12 anos. Não tenho nenhuma vergonha mais em dizer isso, mas na hora… Fiquei tão vermelho quanto um tomate… E não era Playboy, nem Sexy, mas uma revista cujo idioma eu não fazia ideia de qual fosse e que continha imagens de sexo. Até aí tudo bem… um garoto comum… Mas eu começava a prestar atenção mais nos caras do que nas mulheres, inconscientemente, dizendo mentalmente “um dia quero ser que nem esses caras… pegar essas gostosas”… Eu era um moleque muito solitário e tímido (até hoje sou tímido), e como todos sabem, os tímidos sempre são os piores… hehehe

Chegou-me então aos ouvidos que existia um tal de “Cine Privê” na Band… E como eu tinha um super video-cassete “mudérníssimu” de 7 cabeças e que tinha como programar pra gravar canais e etc, comecei a gravar… Como sempre, prestava mais atenção nos caras… Até que comecei a me iludir de forma diferente… Tinha uns livros com fotos da Keystone, e um em especial tinham vários homens de diversas formas e tamanhos, e muitos com pouca roupa… Iludia-me com um “vou ser que nem esse cara… fortão e tal…”

Algum tempo depois me foi apresentado o primeiro filme pornô (porque convenhamos… Cine Privê é “blargh” nesse quesito). E por ironia do destino, tinha um negão… O negão, se é que me entendem… O filme ficou comigo por muito tempo, e eu só assistia a cena do negão, e prestava atenção demais no “objeto” dele… Foi aí que eu comecei a me questionar… Confuso, sabia que sentia tesão, mas não achava normal. “Meninos são pra gostar de meninas, certo?… Ou será que não… Será que sou anormal?” eram meus pensamentos mais comuns, naquela época…

Meses depois desse fato, encontrei uma revista de academia no salão de cabelereiros onde uma das minhas tias trabalhava e… surrupiei ela de lá. Homens bombadões… Adorava me masturbar olhando para eles (e adoro ainda)… “mas era errado!”. Cometi o grande erro de recortar algumas das imagens e esconder no topo do box do banheiro, pra não ter que ficar carregando a revista pra lá e pra cá. Como ninguém enxergava nada ali, estava tranquilo… Até que um belo dia minha mãe resolveu limpar lá, coisa que nunca tinha visto ser feita…

Mãe: Filho… eu quero conversar com você…
Filhote: O que é, mãe?
Mãe: Eu encontrei essas fotos no banheiro… O que elas estavam fazendo lá? *mostra as fotos dos bombadões*
Filhote: Err… bem… eu… (ai, caralho… tô fudido… como vou explicar isso??? OMG!)
Mãe: Me diz o porquê! *tom calmo*
Filhote: Bom… é que eu… tenho feito exercícios na escola e… fico me admirando no espelho… aí peguei essas imagens pra mim comparar, mas acabei esquecendo lá… Eu quero ser que nem esses caras, mãe…
Mãe: Ah… é mesmo? De verdade?
Filhote: É…
Mãe: Então vai ter que começar a parar de comer tanta bolacha com leite… haha

Whew… por pouco não?

Bom… prosseguindo mais um pouco, até uns 14 anos. Esse tempo todo eu me torturei com aquele pensamento de “isso é errado, mas é só uma fase”. Até que resolvi andar com uns caras + pegadores e tentar beijar algumas garotas na porta da escola, à tarde… Bom… Não durou muito tempo… Uns 2 beijos depois eu entrei numa fase difícil, em que eu me isolei de tudo e de todos, tirando alguns amigos, e me concentrei nos estudos… “Assexuei-me” completamente até os 16 anos, que foi a época que tive acesso à internet em casa, pois até então só tinha usado LAN Houses…

Tirando os jogos, eu às vezes pesquisava um pouco de pornografia e talz… até que estava entrando só na seção gay nos “porno tubes” da vida… Um belo dia caí na besteira de baixar um vídeo… E como o PC era do meu tio… ele viu e contou à minha mãe.

Mãe: seu tio me contou que você baixou um filme pornô gay no computador dele… Isso é verdade?
Filhote: sim, mas…
Mãe: Filho, você é gay? (1ª vez)
Filhote: … Não, mãe… foi só um engano besta… Achei que fosse um anime e baixei… Confundi o nome… E não dava pra ver a preview do vídeo no site…
Mãe: Preview? Que isso?… *trechos desinteressantes*

Mais tarde… numa conversa informal pós-churrasco… Estávamos num assunto sobre homossexualidade e outras coisas, pois descobriram que um primo distante meu era gay. Já tinha meus 17 anos.

Mãe: … Ah… sei lá como eu reagiria se isso acontecesse comigo.
Tia 1: Bom, Mãe, você teria que reagir normalmente, né? Afinal, é seu filho. Fico com pena daquelas mãe que enxotam os filhos assim que descobrem o que os filhos são.
Tia 2: Você fala isso porque não é seu filho. Duvido que você aceitaria…
Tia 1: Claro que aceitaria… eu acho…
Mãe: Bom, eu não preciso me preocupar, mas vou fazer o teste. Filho, você é gay? (2ª vez)
Filhote: (WHY IN THE HELL ELA ESTA PERGUNTANDO ISSO PRA MIM????!!!) *cara hiper-supresa* … Eu? Claro que não! E mesmo se fosse, não contaria agora no meio de todo mundo… *vai pra casa*

Mais impreciso, impossível né?

Bom… a partir daí fiquei bastante paranóico com o que eu fazia no PC, já que tinha o meu próprio. Não deixava minha mãe ver minhas conversas, nem ver o que eu estava lendo. Pra ela, eu só mexia pra fazer trabalho, assistir desenho e jogar. Até que surgiu esse maldito personagem nessa novela xexelenta. E depois da confissão dele… Ha! Meus problemas só pioraram, pioraram… pioraram…………. Até que ontem, 2 e pouca da manhã, eu com fone no ouvido, vendo sacanagem na internet… não escuto minha mãe levantar do quarto dela e abrir a porta, que dá direto pra sala. Guardei minhas “coisas”, dei Esc e desliguei o monitor…

Mãe: credo! Que é que você tava fazendo aí que não posso ver? Tá parecendo o Gerson já!
Filhote: *imóvel, mudo, com cara de WTF, misturado com OMG*

Minutos depois, eu fui dormir.

No café da manhã de hoje, o assunto veio à tona quando minha irmã saiu da mesa.

Mãe: Eu ainda não entendi o que você tanto esconde naquele computador…
Filhote: Só minhas conversas, meus vídeos…
Mãe: E precisa dar uma de Gerson pra esconder isso? Tô ficando preocupada…
Filhote: Não é nada, mãe… É que só quero ter privacidade…
Mãe: Humm… tá… Por acaso você é gay e não quer me contar? (3ª vez)
Filhote: Não, mãe, não é isso…
Mãe: Olha, seja o que for que você tá escondendo, é chato você fazer isso. Poxa vida, a gente mora na mesma casa e você não compartilha nada comigo? Parece que estou vivendo com um completo estranho!
Filhote: Mãe, não precisa de tanto drama…
Mãe: Filho, você tem que entender que eu sou sua mãe, e que não precisa esconder nada de mim. Não importa o que seja, você vai continuar a ser o meu filho e eu vou continuar te amando como sempre te amei…
Filhote: *silêncio* (oh shit… apelou…)… Mãe, quer saber de uma coisa?
Mãe: O quê?
Filhote: Eu sou gay. *murmurando*
Mãe: Eu desconfiava… *murmurando*

*hugs*

Eu juro… juro… juro que não imaginava que seria tão de boa assim. Acho que isso, pra mim, foi tão melhor do que ganhar na loteria… Tirou-me um peso gigantesco das costas… E apesar da minha mãe ainda se preocupar comigo mais ainda, ela está feliz porque eu fui sincero com ela… Mas ela tem que aprender muito… muito mesmo… Acho que vou apresentar o Mãe, Sou Gay pra ela mais cedo do que eu esperava, já que ela até me perguntou se não havia nenhuma mãe de filho gay aí pela internet que tivesse um site… Custa nada né?

Bom… assim me despeço dessa minha fase de esconder as coisas e partirei pra sinceridade. Meu “closet” era somente a minha mãe. O resto eu não tenho vontade de contar. Se descobrirem, não fui eu que contei, e se descobrirem… pra mim não faz a menor diferença. Minha mãe era quem realmente importava e quem continua importando.

Jovem Urso

P.S.: Pelo visto, mesmo eu detestando o Natal e querendo me juntar ao Lobo, ao Voy e ao Braccini no “Manifesto Anti-Natal” (XD), o Ursão Noel foi generoso comigo no presente, apesar do atraso… hehe





Natal com a família? TO THE HELL!!

25 12 2010

Como eu gostaria te ter dito tais palavras e realmente ter tacado fogo na árvore de natal. Já estou bastante farto dessa “tentativa” de reunir a família… É sempre assim… Aquelas mesmas piadas sem graça, as mesmas risadas sem graça… Caramba! Será que as pessoas não enjoam não?

Sei lá… pra mim o Natal não é só mais um motivo pra ficar em família por obrigação. Acho que só deve ser comemorado em família quando a maioria das pessoas está realmente disposta a participar, e desta vez, ninguém estava realmente disposto. O sogro de uma das minhas tias estava bem doente, tinha acabado de sair do hospital e o coitado estava lá… No meio da festa, tiveram que levá-lo para casa. Todo mundo estava preocupado com ele. Tadinho, não precisavam tê-lo trazido até lá. Ele realmente estava mal. Não estava conseguindo comer a comida e tal. Como disse uma das minhas tias, “estava parecendo um bebê”, pois quando ofereceram leite a ele, tomou. Pergunto: Natal é dia de forçar um senhor de 80 e tantos anos a sair de casa quando deveria estar descansando?

Natal é época somente de comilança também? Pois eu só vi as pessoas unidas na hora de fazer a fila pra fazerem os pratos, como num lindo self-service familiar. Tudo bem que eu desfrutei dessa parte, mas será que isso realmente importa? Comer quilos e quilos de comida? Não sou a pessoa mais caridosa do mundo, mas penso que tem muita gente por aí que gostaria de ter um Natal c/ um prato de comida pra comer. E não estou sendo hipócrita, estou só questionando o verdadeiro motivo da festa de Natal da minha família…

Enfim… não tenho mais clima pra ir não… Sinceramente espero que no ano que vem eu tenha algo mais interessante pra fazer. Quero mais é ficar com quem eu realmente quero estar…

Ou então, simplesmente, não vou à festa e fico em casa caçando o que fazer.

Bom… Feliz Natal pra quem é disso… Sem mais,

 

Jovem Urso





Vingança

20 12 2010

Parece que o Destino tem me pregado algumas peças nos últimos tempos. Eu não ligo, porém demorei um longo período até que não ligasse mais pra isso. Talvez a tal armadura da qual eu me orgulhe tanto tenha se tornado tão grossa que eu seja imune a qualquer coisa que tente me atingir, seja ela ruim ou boa.

Mas mesmo assim… Eu me sinto bem. Não tenho raiva do dito Destino. Agradeço a ele por ter me ajudado a me tornar quem eu sou e por ainda estar me ajudando a mudar coisas necessárias dentro de mim. Tenho muito o que viver, todavia creio que as mudanças que vêm ocorrendo dentro de mim… estejam todas acontecendo rápido demais, mesmo eu querendo ter um ritmo de vida mais lento, pra poder aproveitar tudo o que o mundo tem a oferecer…

Ha… Provavelmente eu esteja me enganando por lamentar que as mudanças ocorreram muito velozmente. Ora, afinal de contas, isso me dá tempo pra viver mais livremente esse meu “auge”, se é que posso chamar esse estado dessa forma.

No entanto, embora não seja vidente, posso prever que isso me ajudará no futuro. Tudo as peças que o Destino me pregou ao longo desses anos, como eu já disse, só me tornaram mais fortes e, quando a hora certa chegar, poderei me vingar com louvor dessa “insólita sina”. Nada mais de isolamento por falta de dinheiro, de assunto, de vivência e, principalmente, de experiência. Experiência… Essa foi a maior peça que o Destino já me pregou… Quantas vezes eu já me perguntei “porra, por que eu fiz isso?” e a resposta sempre foi “por falta de experiência!”? E mesmo reclamando dessa deficiência, eu não posso fazer nada a não ser viver e ir acompanhando as modificações que se fazem dentro de mim, utilizando a parte metódica, fria e calculista de uma das minhas personalidades para planejar cautelosamente o meu “plano infalível”, que mesmo assim estará sujeito a ser alterado pelos hábeis dedos do Destino.

Bom… não posso nem perguntar se vai demorar muito até que eu adquira a abençoada experiência, logo que cada parte de mim vai evoluindo de maneira independente… Então… só me resta viver o que está destinado a mim e ir burlando as regras e pegando atalhos necessários nessa “longa estrada da vida”. Ah, e lembrando que julgo alguns atalhos necessários, pois convenhamos… Tem momentos na vida em que é imprescindível o uso do famoso jeitinho brasileiro, hehe.

Deixo aqui uma música que gosto muito quando é cantada pela Fernanda Abreu. Não sou religioso, mas essa oração cantada desse jeito, ficou ótima.

É Destino… vingarei-me de você… Quer você queira ou não [/coolface].

Jovem Urso

P.S.: “Destino” com a primeira letra maiúscula não é uma analogia a “Deus”, “Alá” ou qualquer nome que dão à “entidade suprema criadora do mundo”. Como disse algum amigo blogayro em algum post… “prefiro ainda acreditar num Deus ursão e boa gente que vai estar lá em cima pra nos receber, conversar e dar as broncas necessárias”, ou algo assim. O Destino, para mim, é quem nos move e quem nos impede de mover. Detalhe, não sou de nenhuma seita oculta não, é só a minha interpretação do mundo espiritual. /fikdik








%d blogueiros gostam disto: