Closets are for clothes!

26 12 2010

Imagino que já deduziram a finalidade do post, não é? Focarei mais na minha história, que é um tantinho longa…

Por onde começarei… Hum… A primeira desconfiança…

12 anos, criança inocente ainda, mas que já começava a fazer as traquinagens sozinho. Ainda descobrindo o que diabos era aquele negócio de “bater punheta” que os meninos da turma tanto comentavam… Primeiro só com a imaginação, depois de um tempo comecei a caçar revistas comuns como Caras e Veja, procurando por mulheres de biquini e tal, logo que ouvia os meninos comentarem de gostosa X e gostosa Y pra lá e pra cá… Até que um dia, numa padaria, eu comprei uma revista pornográfica. Sim, uma revista pornográfica foi vendida a um garoto de 12 anos. Não tenho nenhuma vergonha mais em dizer isso, mas na hora… Fiquei tão vermelho quanto um tomate… E não era Playboy, nem Sexy, mas uma revista cujo idioma eu não fazia ideia de qual fosse e que continha imagens de sexo. Até aí tudo bem… um garoto comum… Mas eu começava a prestar atenção mais nos caras do que nas mulheres, inconscientemente, dizendo mentalmente “um dia quero ser que nem esses caras… pegar essas gostosas”… Eu era um moleque muito solitário e tímido (até hoje sou tímido), e como todos sabem, os tímidos sempre são os piores… hehehe

Chegou-me então aos ouvidos que existia um tal de “Cine Privê” na Band… E como eu tinha um super video-cassete “mudérníssimu” de 7 cabeças e que tinha como programar pra gravar canais e etc, comecei a gravar… Como sempre, prestava mais atenção nos caras… Até que comecei a me iludir de forma diferente… Tinha uns livros com fotos da Keystone, e um em especial tinham vários homens de diversas formas e tamanhos, e muitos com pouca roupa… Iludia-me com um “vou ser que nem esse cara… fortão e tal…”

Algum tempo depois me foi apresentado o primeiro filme pornô (porque convenhamos… Cine Privê é “blargh” nesse quesito). E por ironia do destino, tinha um negão… O negão, se é que me entendem… O filme ficou comigo por muito tempo, e eu só assistia a cena do negão, e prestava atenção demais no “objeto” dele… Foi aí que eu comecei a me questionar… Confuso, sabia que sentia tesão, mas não achava normal. “Meninos são pra gostar de meninas, certo?… Ou será que não… Será que sou anormal?” eram meus pensamentos mais comuns, naquela época…

Meses depois desse fato, encontrei uma revista de academia no salão de cabelereiros onde uma das minhas tias trabalhava e… surrupiei ela de lá. Homens bombadões… Adorava me masturbar olhando para eles (e adoro ainda)… “mas era errado!”. Cometi o grande erro de recortar algumas das imagens e esconder no topo do box do banheiro, pra não ter que ficar carregando a revista pra lá e pra cá. Como ninguém enxergava nada ali, estava tranquilo… Até que um belo dia minha mãe resolveu limpar lá, coisa que nunca tinha visto ser feita…

Mãe: Filho… eu quero conversar com você…
Filhote: O que é, mãe?
Mãe: Eu encontrei essas fotos no banheiro… O que elas estavam fazendo lá? *mostra as fotos dos bombadões*
Filhote: Err… bem… eu… (ai, caralho… tô fudido… como vou explicar isso??? OMG!)
Mãe: Me diz o porquê! *tom calmo*
Filhote: Bom… é que eu… tenho feito exercícios na escola e… fico me admirando no espelho… aí peguei essas imagens pra mim comparar, mas acabei esquecendo lá… Eu quero ser que nem esses caras, mãe…
Mãe: Ah… é mesmo? De verdade?
Filhote: É…
Mãe: Então vai ter que começar a parar de comer tanta bolacha com leite… haha

Whew… por pouco não?

Bom… prosseguindo mais um pouco, até uns 14 anos. Esse tempo todo eu me torturei com aquele pensamento de “isso é errado, mas é só uma fase”. Até que resolvi andar com uns caras + pegadores e tentar beijar algumas garotas na porta da escola, à tarde… Bom… Não durou muito tempo… Uns 2 beijos depois eu entrei numa fase difícil, em que eu me isolei de tudo e de todos, tirando alguns amigos, e me concentrei nos estudos… “Assexuei-me” completamente até os 16 anos, que foi a época que tive acesso à internet em casa, pois até então só tinha usado LAN Houses…

Tirando os jogos, eu às vezes pesquisava um pouco de pornografia e talz… até que estava entrando só na seção gay nos “porno tubes” da vida… Um belo dia caí na besteira de baixar um vídeo… E como o PC era do meu tio… ele viu e contou à minha mãe.

Mãe: seu tio me contou que você baixou um filme pornô gay no computador dele… Isso é verdade?
Filhote: sim, mas…
Mãe: Filho, você é gay? (1ª vez)
Filhote: … Não, mãe… foi só um engano besta… Achei que fosse um anime e baixei… Confundi o nome… E não dava pra ver a preview do vídeo no site…
Mãe: Preview? Que isso?… *trechos desinteressantes*

Mais tarde… numa conversa informal pós-churrasco… Estávamos num assunto sobre homossexualidade e outras coisas, pois descobriram que um primo distante meu era gay. Já tinha meus 17 anos.

Mãe: … Ah… sei lá como eu reagiria se isso acontecesse comigo.
Tia 1: Bom, Mãe, você teria que reagir normalmente, né? Afinal, é seu filho. Fico com pena daquelas mãe que enxotam os filhos assim que descobrem o que os filhos são.
Tia 2: Você fala isso porque não é seu filho. Duvido que você aceitaria…
Tia 1: Claro que aceitaria… eu acho…
Mãe: Bom, eu não preciso me preocupar, mas vou fazer o teste. Filho, você é gay? (2ª vez)
Filhote: (WHY IN THE HELL ELA ESTA PERGUNTANDO ISSO PRA MIM????!!!) *cara hiper-supresa* … Eu? Claro que não! E mesmo se fosse, não contaria agora no meio de todo mundo… *vai pra casa*

Mais impreciso, impossível né?

Bom… a partir daí fiquei bastante paranóico com o que eu fazia no PC, já que tinha o meu próprio. Não deixava minha mãe ver minhas conversas, nem ver o que eu estava lendo. Pra ela, eu só mexia pra fazer trabalho, assistir desenho e jogar. Até que surgiu esse maldito personagem nessa novela xexelenta. E depois da confissão dele… Ha! Meus problemas só pioraram, pioraram… pioraram…………. Até que ontem, 2 e pouca da manhã, eu com fone no ouvido, vendo sacanagem na internet… não escuto minha mãe levantar do quarto dela e abrir a porta, que dá direto pra sala. Guardei minhas “coisas”, dei Esc e desliguei o monitor…

Mãe: credo! Que é que você tava fazendo aí que não posso ver? Tá parecendo o Gerson já!
Filhote: *imóvel, mudo, com cara de WTF, misturado com OMG*

Minutos depois, eu fui dormir.

No café da manhã de hoje, o assunto veio à tona quando minha irmã saiu da mesa.

Mãe: Eu ainda não entendi o que você tanto esconde naquele computador…
Filhote: Só minhas conversas, meus vídeos…
Mãe: E precisa dar uma de Gerson pra esconder isso? Tô ficando preocupada…
Filhote: Não é nada, mãe… É que só quero ter privacidade…
Mãe: Humm… tá… Por acaso você é gay e não quer me contar? (3ª vez)
Filhote: Não, mãe, não é isso…
Mãe: Olha, seja o que for que você tá escondendo, é chato você fazer isso. Poxa vida, a gente mora na mesma casa e você não compartilha nada comigo? Parece que estou vivendo com um completo estranho!
Filhote: Mãe, não precisa de tanto drama…
Mãe: Filho, você tem que entender que eu sou sua mãe, e que não precisa esconder nada de mim. Não importa o que seja, você vai continuar a ser o meu filho e eu vou continuar te amando como sempre te amei…
Filhote: *silêncio* (oh shit… apelou…)… Mãe, quer saber de uma coisa?
Mãe: O quê?
Filhote: Eu sou gay. *murmurando*
Mãe: Eu desconfiava… *murmurando*

*hugs*

Eu juro… juro… juro que não imaginava que seria tão de boa assim. Acho que isso, pra mim, foi tão melhor do que ganhar na loteria… Tirou-me um peso gigantesco das costas… E apesar da minha mãe ainda se preocupar comigo mais ainda, ela está feliz porque eu fui sincero com ela… Mas ela tem que aprender muito… muito mesmo… Acho que vou apresentar o Mãe, Sou Gay pra ela mais cedo do que eu esperava, já que ela até me perguntou se não havia nenhuma mãe de filho gay aí pela internet que tivesse um site… Custa nada né?

Bom… assim me despeço dessa minha fase de esconder as coisas e partirei pra sinceridade. Meu “closet” era somente a minha mãe. O resto eu não tenho vontade de contar. Se descobrirem, não fui eu que contei, e se descobrirem… pra mim não faz a menor diferença. Minha mãe era quem realmente importava e quem continua importando.

Jovem Urso

P.S.: Pelo visto, mesmo eu detestando o Natal e querendo me juntar ao Lobo, ao Voy e ao Braccini no “Manifesto Anti-Natal” (XD), o Ursão Noel foi generoso comigo no presente, apesar do atraso… hehe

Anúncios




Reunião

5 12 2010

Eu nunca fui o bicho mais sociável do mundo, mas… é muito raro um amigo meu convidar-me pra ir na sua casa e eu recusar… E acho que hoje (ontem?), fiz bem em não recusar o convite do Edu e do Mau pra visitar o “Ipertamento” deles. Achei mais do que linda a vista da sacada. É uma pena que tantos prédios estejam sendo construídos em volta. Espero que não tapem a excelente visão que vocês tem dali.

Peço que me desculpem um pouco se não fui lááá muito caloroso e um tanto tímido, mas sou assim quando estou conhecendo o pessoal novo. No entanto, quando eu começar a “me sentir em casa”… sou outra pessoa, hehehehe.

Mau, adorei saber que não sou um alienígena por não ter me acostumado com touchscreen. Geez… Trequinho complicado… Prefiro um smartphone com aquelas milhares de teclas… Botão rulez! hahahaha

Edu… saiba que eu ri muito imaginando você dentro daquela roupa de ciclista… Imaginação fértil e rápida dá nisso… xD

Wans e Melo, adorei suas tattoos e suas histórias. E é claro, a sinceridade do Melo… me fez rir muito. Queria falar tudo na lata assim, sem medo, mas isso vem com o tempo (acredito), ^^

David (Deivid?), que pessoa mais dada é você, homem! Nem parece que é tão exigente assim… hauhauhuahuahua (brincadeira).

Renatinho, sorry por não conhecer seu blog. Eu posto faz pouquinho tempo… Ainda estou explorando os outros blogs que existem por aí. Vou adicionar o seu ao meu Reader, ^^. Gah… e vê se não mata a sua mãe do coração c/ essas surpresas, hein? kkkkkkk

Marco e Danilo… que história a de vocês, hein? Quando é pra dar certo… dá certo mesmo. Começo a acreditar que o destino realmente proporciona surpresas realmente extraordinárias. Ah, e Marco, valeu pelo abraço, xD (sem ressentimentos, hein Danilo, haha).

Kleber (com “c” ou com “k”?) SAM, lembrei de você no trem… tinha um cara com fone de ouvido no meu vagão… dublando uma música da Lady Gaga (fone alto da porra… o_o). Bad Romance ainda por cima… Ri litros!

Enfim… não foram só essas as minhas recordações do dia de hoje, mas foram as mais notáveis (pra mim). Não esquentem… pra mim a primeira impressão não é a que fica (espero que pra vocês também não… heh). Adorei muito ter me reunido com caras tão legais. Senti-me incluído no mundo gay, xD. Ah, e nunca falei tanto de rola e ouvi tão pouco sobre rashas quanto hoje, hehehehe

É… pelo visto a melhor coisa que eu fiz foi ter começado a ampliar meus horizontes pelos meios que eu tinha acesso… ou seja, a internet. Sabendo usar… dá nisso, xD

Abração a todos, e que venham novas reuniões, x)

Jovem Urso

Edit: P.S.: Da próxima vez eu levo o Pianista pra vocês conhecerem, tee hee… ^^





A Saga do Filhote Solitário – Parte 3

29 11 2010

Bom, cá estou eu novamente, mas não pra falar de mim, nem do Pianista. Vim aqui registrar, mesmo que atrasado (como sempre), a minha revolta para com a homofobia declarada pelo chanceler da universidade onde estudo. Sim, eu estudo no Mackenzie. E não, eu não estava no meio da manifestação. Primeiro porque não sou assumido, como sabem. Segundo, não sou o tipo de cara que é militante gay ativamente. Dou meu apoio e tal, mas eu mesmo prefiro não me envolver nessas manifestações. Talvez seja porque sou novo no mundo gay e não sei muito bem das coisas, ou talvez seja porque não me identifico com os métodos adotados até hoje. Não sei se já comentei, mas eu não concordo com a existência da Parada Gay da forma como ela é hoje, só que isso é assunto pra outro post… Prosseguindo…

Fiquei altamente revoltado com essa publicação no site do Mackenzie. Porra, parecem que não entendem que não é só a administração da universidade é que é responsável pela imagem dela? Esquecem que o corpo discente também tem uma opinião própria e nem sempre concorda com a opinião da administração. Foi um erro imenso ter redigido tal comunicado. Não acho errado cada um exprimir a sua opinião, afinal estamos num país dito democrata e liberal. Sei que a igreja presbiteriana é contra o homossexualismo, sei de tudo isso, mas… Custa certas pessoas ficarem de boca calada?? Enfim… fica aqui a minha indignação.

Agora… apesar de que eu disse que não ia falar de mim, num primeiro momento, mas eu vou falar dos últimos acontecimentos no meu curso…

Cara… eu faço faculdade de Desenho Industrial… olha só o que me acontece bem no final do semestre… Perdi minha pasta A3, com TODOS os meus trabalhos que tinha feito da 2ª metade do semestre pra cá. Fora que foram-se réguas, esquadros, blocos de papel e etc…  Fiquei desconsolado e não sabia o que fazer… Só depois que tive a ideia de ir procurar a professora de Desenho, disciplina que perdi a maioria dos trabalhos. Felizmente ela me deu um prazo maior pra entregar os trabalhos… Na sexta-feira, entreguei 4 dos 6 trabalhos, e fiquei com notas relativamente boas, =D.

Tinha, ainda, 2 trabalhos maiores a serem apresentados. Um de Ética e um de História da Arte. O de Ética era uma animação, e eu lhes falo… Designers e futuros designers que me lêem… não substituam uma apresentação de slides por uma animação quando você não tem tempo suficiente pra fazer… Deu tudo certo, no fim das contas, com muitas correrias… Suicida isso…

Mais suicida foi nosso trabalho de História da Arte. Foi feito em uma semana, e era justamente sobre o suicídio… hahaha. O resultado final foi brilhante, apesar do prazo curto. Certamente a professora ficou maravilhada com nossa construção interativa de isopor pra sustentar os nossos vitrais góticos com a temática do suicídio segundo Émile Durkheim.

Agora tenho só uns trabalhos menores a serem feitos… E tentarei fazer postagens mais constantes e interessantes. Desculpem-me se o post não foi lááááá essas coisas, mas eu simplesmente senti que devia ser escrito, =)

 

Filhote Solitário





A Saga do Filhote Solitário – Parte 2

25 11 2010

Bom, agora que terminei meus trabalhos e deixei alguns leitores putos de raiva porque prometi um post no domingo ou na segunda-feira… eu postarei a parte 2 da minha saga, finalmente…

Onde estávamos?… Ah sim, minha fugida ao CineSesc. O 1º encontro da minha vida, que emocionante… hehehehe.

Resolvi deixar a minha faculdade por um dia e sair pra espairecer com um cara muito especial que conheci na internet. Chamarei-o de… Pianista, por razões que você pode deduzir sozinho… XD

Eu estava nervoso que só… Durante todo o caminho eu fiquei pensando em coisas do tipo “ai, será que ele vai gostar de mim pessoalmente?”, “tô bem vestido?”, “eu tô dando muita pinta de que vou a um encontro com um cara?” e todo o tipo de coisa que um inexperiente em todos os sentidos pode pensar. Foi a viagem de 1 hora e 20 minutos mais longa da minha vida. A cada estação que ficava para trás, meu coração dava uma batida mais forte e eu pensava “tá chegando… tá chegando…”. Exatamente na estação Domingos de Moraes, passou pela minha cabeça… Estaria eu me apaixonando por alguém que nunca vi pessoalmente? Será que não estava me precipitando demais e talvez eu devesse pegar o trem no sentido contrário e voltar pra casa e dar o meu primeiro bolo?… Confuso, cheguei até a me levantar no trem e caminhei em direção da porta, mas felizmente ela se fechou antes e meus pensamentos voltaram ao normal. Meu nervosismo diminuiu bastante depois disso. Continuei, então, minha viagem até a Consolação. Tinham + 3 baldeações a serem feitas… Morar no c* do mundo dá nisso… hahahaha

Cheguei alguns minutos atrasados. 17.07… Será que o Pianista já tinha chegado lá? Combinamos de nos encontrar na catraca da estação e lá fiquei esperando ver o rosto dele entremeio à multidão. Longos minutos se passaram… até que…

“Filhote? Filhote!”

O Pianista estava me esperando do outro lado da catraca e eu não tinha visto. ^^”. Nos cumprimentamos e caminhamos até o CineSesc. Conversamos bastante. Eu estava bastante tímido e ele também estava um tanto nervoso. Compramos os ingressos e aguardamos até que a sessão do filme começasse. Disse eu ao Pianista que nunca tinha estado num lugar que tivesse tanto gay/m², muito menos em um que tivesse tanto bear/m², xD.

Durante a sessão do filme, não trocamos muitos olhares. Queria que ele pegar na mão dele, mas estava muito acanhado pra fazer isso. Pareço criança, não?, mas quem nunca esteve numa situação parecida com essa? Deixei, então, minha mão dando sopa no apoio da poltrona durante algum tempo. Percebi que ele se mexia bastante durante  a sessão, mas nunca fazia nenhuma aproximação… (só depois o Pianista me contaria que estava em cólicas pra pegar na minha mão, mas estava com vergonha).

O filme acabou. Avaliamos Bear City com nota 5. Dirigimo-nos para o Habib’s. O Pianista não tinha almoçado e já estava meio esfaimado, pois já eram mais de 20 horas. Conversamos um pouco mais sobre nossas experiências e sobre nossos desejos. Confessei a ele que minha fantasia sexual preferida foi ficar com um cara branco, de +- 50 anos, grisalho, mais alto e mais cheinho do que eu, que usasse óculos e professor… Combinação bem difícil de ser encontrada, não? hahaha. Papo vai, papo vem, pedimos a conta. Eu ia pagar a minha parte, mas ele não deixou. Fiquei todo sem jeito… não estou acostumado a pagarem as coisas pra mim (exceto minha mãe, mas…). Eram mais de 21.30. Não tinha mais muito tempo junto dele, afinal, eu tinha que estar em casa no horário da faculdade pra que a minha desculpa colasse (2 professores estavam participando de bancas de TCC, então não ia ter quase aula, então eu e meus colegas resolvemos ir ao bar desestressar um pouco… [not!] e que voltaria cedo).

A estação do metrô estava próxima… Teria que me despedir logo… e estava curtindo tanto a presença dele… a atenção que ele me dava quando eu falava… Eu até perguntava se eu estava falando muito e ele dizia que não, que adorava gente pra frente que nem eu e que gostava de me ouvir (e pior que eu estava falando pra cacete… nervosismo…). O Pianista então sugeriu que fôssemos até a estação Trianon-MASP andando, já que estávamos na Paulista mesmo.

No caminho, nossas mãos se esbarravam com frequência, mas eu não tinha coragem de agarrar a mão dele em público… Ainda mais com aquela notícia que havia corrido por aí… Conversamos mais um pouco…

Filhote: Ah, Pianista, me desculpa pela timidez.
Pianista: Que isso… Não se preocupa com isso.
Filhote: É que não queria estragar o encontro… Não gosto de ir muito rápido, acho que tudo fica tão banal quando acontece rápido demais e… bom você sabe, né?
Pianista: Pois é…
Filhote: Acho um saco quando duas pessoas se sentem atraídas uma pela outra, perguntam “vamos foder?” e depois no dia seguinte dão tchau e nem sabem o nome uma da outra. Pra mim, mesmo que não esteja procurando algo fixo, tem que ter rolado uma conversa antes e tal… Porra, não vou sair dando ou comendo qualquer um que me aparece por aí…
Pianista: Isso é verdade… Vejo muito isso nas baladas…
Filhote: Ah é, você é pegador…
Pianista: Que nada…
Filhote: hahahahaha

Acabamos por caminhar até a estação Brigadeiro. De lá, ele me acompanhou até a Barra Funda, até que pegasse meu trem. Com um sorriso e um aperto de mão, eu me despedi… Mas eu queria mesmo era ter abraçado e beijado ele ali, no meio da multidão… Só que minha moral e minha timidez repeliram essa atitude.

O encontro ficou com um gostinho de quero mais…

Nos encontramos de novo na segunda-feira (22). Ele me fez a gentileza de trazer um pacote de papel sulfite que tinha na casa dele, pra que eu não precisasse comprar pra terminar os meus trabalhos, e aproveitamos para dar um passeio pelos arredores do Mackenzie. Começou a chover… Eu estava de guarda-chuva e perguntei se ele não queria que eu o acompanhasse de volta pra estação, já que ele estava sem. O Pianista disse que não, mas eu queria levá-lo, não ia atrapalhar… (depois fiquei sabendo que a chuva engrossou e ele quase escorregou no meio do caminho… fiquei c/ a maior culpa do mundo… ‘-‘).

Com esses dois encontros, + nossos papos no MSN, concluo que estou me apaixonando pelo Pianista…

Bom… fico por aqui… Depois posto a parte 3… a maldita faculdade não me permite… E lá vai o Mackenzie atrasando a vida dos gays e dos armariados, xD

 

Filhote Solitário

 





A Saga do Filhote Solitário – Parte 1

20 11 2010

Créditos a lukey120292, autor da imagem e membro
do forum ConceptArt.org.

Estou de volta! Depois desse longo tempo longe do blog… Nossa… estava com muita vontade de postar aqui, mas eu tinha que me manter longe porque tinha um porrilhão de coisas a estudar e a fazer então… Peço que me perdoem, xD

Mas o bom é que ter ficado um tempo sem blogar me deu uma certa empolgação pra postar agora! Tenho tanta coisa pra contar… Enfim, vamos começar pelo princípio!

Vejamos… desde o dia 3 tive algumas surpresas e desavenças com o pessoal da facul. Não briguei feio, mas me segurei pra não brigar… Putz… Sabe num desses dias em que você não quer ser incomodado e insistem em te incomodar? Eu estava com um mau humor danado porque eu tive insônia à noite, coisa rara de acontecer. Estava muito calor e eu estava pensando em alguém… Não consegui pregar o olho a noite toda. De dia estava parecendo um zumbi, e o pior é que tinha de ir à facul + cedo pra tentar ensinar aos caras como usar uma ferramenta do Flash. Deu o maior rolo, porque não estava conseguindo me concentrar pra fazer a porra da explicação, daí começaram a me zoar, me encher o saco e tal. Normalmente seria o tipo de coisa que eu relevaria. NORMALMENTE. Quando eu estou de mau humor porque estou com sono ou com fome… imagina um urso mau humorado. Pois é, eu sou o projetinho desse urso. Fico sem paciência nenhuma pra nada e muito menos pra piadinha sem graça. Ou seja, deu merda. Fiquei de cara feia e chateado porque diversas vezes eu “pedi pra sair” e não me deram ouvidos.

Todavia… esses meus amigos ainda me rendem boas risadas. E não porque são realmente engraçados, mas às vezes começam a falar de uns assuntos que eu tenho que ficar bem quietinho pra não assustar ninguém. Esses dias começaram a falar dos diferentes tipos de “viado” que eles já viram por aí. Eu tava com uma vontade incontrolável de me mostrar o sabichão e contar +, mas… o que eu não faço pra ficar no armário…

Uma amiga minha disse que uns anos atrás foi pra São Vicente e lá tem um lugar GLS, administrado por uma lésbica, que bomba todo fim de ano. Um amigo dela levou ela pra dar um passeio lá dentro e ela disse que ficou impressionada com a quantidade de caras de mãos dadas que ela juraria que eram HT. Usando palavras dela: “caras com pinta de ‘mano’ de mãos dadas um com o outro… meu… isso foi inacreditável”. Imagino se ela tivesse só passado na frente do CineSesc nos dias em que tava passando Bear City… só dava ursão por lá. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk…

Mas isso é uma história pra um próximo post que provavelmente virá amanhã ou depois… ^^





Escondendo o jogo

24 10 2010

Eu nem estava realmente inspirado pra postar hoje, mas diante das circunstâncias… Eu sou obrigado a fazê-lo, mesmo que rapidamente.

Fiquei abismado com a eficiência de minha camuflagem, mais uma vez… Já comentei num post anterior o quanto de risadas isso me rendeu, mas hoje foi demais…

Estava eu, no quintal da minha casa, cometendo uma gordice básica que é se esbaldar no churrasquinho em família, tranquilamente… Quando me aparece uma tia-avó chatíssima que adora (com ênfase no “adora”) chegar na casa dos outros bem na hora do almoço… Eu detesto mortalmente quem faz isso, porque interrompe o meu ritual de comilança, mesmo que não esteja cometendo gordices. Ora, refeições são sagradas, deve-se ter paz e sossego enquanto se come, não?… Enfim, chegou essa minha tia-avó acompanhada de uma das irmãs, ou seja, duas tias-avós.  A outra até que era gente boa, mas vamos em frente. Papo vai… papo vem… algumas “historinhas de pescador” contadas e tal… Essa minha tia chata começa a conversar comigo:

– Eeeee, Filhote, e essa barba cheia aí? Não vai tirar?

– Não, eu gosto assim. Vou só aparar com máquina 2 daqui por diante e acertar o contorno – respondi prontamente.

– Hummm… Você tá parecendo que tem uns 25 anos, não 18. *faz cara de bosta*

– Pois é… Essa é a intenção, parecer mais velho. *faço cara de “hummm, é mesmo?”*

– Você tá é caçando mulher mais velha né? Querendo parecer mais velho desse jeito só pode estar caçando velha por aí.

Todo mundo olhou pra minha cara e eu fiquei com aquela expressão de “affe, você não disse isso”.

Ééééé… Camuflagem tensa… Me senti um ninja hoje…

Bom… fico por aqui, até mais! o/

Filhote Solitário





Camuflagem

2 10 2010

Às vezes eu agradeço muito por essa minha camuflagem natural que me permite transitar pelo meio hétero sem desconfiarem que sou gay. Outras vezes eu não sei se isso é tão bom assim. Tem vezes que a máscara dá uma coçadinha e quer cair… Gostaria de viver num meio mais gay, mas sei que ainda preciso de muita vivência pra construir o meu próprio meio gay. Fazer amigos, frequentar alguns lugares, ter um ursão ao meu lado… Tenho vários passos a cumprir…

Bom, apesar do incômodo da máscara, o lado bom da camuflagem é que dou muita risada sozinho. MUITA mesmo. Tem héteros que nem desconfiam que um cara que se comporta normalmente, sem aqueles trejeitos afeminados, pode ser gay. Aliás, eu tenho algumas caras e bocas que, volta e meia, me denunciam pra alguns que tem o olhar mais aguçado, porém sempre acabo passando despercebido. Fico muito besta de ouvir meus amigos falando que nunca conviveram com um gay e acham que seria uma pessoa que tem o jeito muito parecido com uma garota, mas com mais chatices, frescuras e não-me-toques. Mal sabem eles que tem gays que são menos frescurentos do que os próprios héteros… hahahahaha

Aiai… é por essas e outras que eu fico feliz em ser um bear muito do feliz… Bom, poderia ser mais… só que eu não preciso repetir o que me falta. heh

Filhote Solitário








%d blogueiros gostam disto: